Senador se manifesta sobre a indicação de Fachin para o STF

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O senador Alvaro Dias (PSDB/PR) se manifestou, por meio das redes sociais, sobre a indicação do professor Luis Edson Fachin para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal. Leia a íntegra do que disse o senador:

“Durante estes 13 anos, combati o governo e seus desmandos com persistência e dedicação, com denodo e veemência. Mesmo nos momentos de alta popularidade dos Presidentes Lula e Dilma, eu os combati muitas vezes isoladamente. Como exemplo, cito o relatório paralelo que apresentei na CPI dos Correios, pedindo o impeachment de Lula. Fiquei só. Quantas representações protocolei junto à Procuradoria-Geral da República que se transformaram em inquéritos instaurados pelo Ministério Publico, entre elas 19 relacionadas à Petrobras. Fiquei exposto e fui muitas vezes caluniado pela guerrilha petista na Internet. Muitos dos brasileiros acompanharam meu trabalho e apoiaram sempre, mas muitos dos brasileiros que hoje rejeitam esse governo, não estiveram na nossa trincheira nestes anos do oba oba governista. Alguns políticos transformaram-se em oposicionistas da oportunidade, agora, e saíram de seus esconderijos para demonstrar inusitada coragem, em razão do desgaste histórico de quem preside o país. Sejam bem vindos os neo-oposicionistas. Assim, quem sabe, a raquítica oposição dos últimos anos, engorde. Faço essas considerações para enfatizar que recebo com humildade e paciência as críticas e até os ataques afrontosos que assacam contra mim neste momento por tentar agir com coerência e correção. Seria um oportunista indigno, se conhecendo a historia de vida do mestre de direito, jurista de reputação ilibada e notório saber, Luiz Edson Fachin, que tem o apoio da esquerda à direita dos que verdadeiramente o conhecem, a ele combatesse só para desagradar a já fragilizada Presidente. Razões para combatê-la não faltam, não preciso desse oportunismo. As opiniões divergentes merecem respeito, mas as aleivosias e inverdades não me arrastarão para o campo da injustiça e da incoerência. Em 2010 quando quase só, combatia a indicação do atual Ministro Toffoli, citava como nome exemplar o de Fachin, naquele momento preterido. Ser contra as teses do jurista é legítimo e democrático, mas repetir inverdades até à exaustão para desqualificá-lo não é honesto. Repita-se, ele não é petista, simplesmente porque fez opção de voto em 2010 como qualquer cidadão, ao contrario esteve na contramão do PT em momentos históricos como a campanha de Covas, a Constituição de 88, o Colégio Eleitoral com Tancredo, a eleição para a reitoria da Universidade Federal do Paraná, etc, e não é MST ou CUT. Como não é ruralista simplesmente porque integrou a Câmara Arbitral da Sociedade Brasileira e vem recebendo apoio de representações do setor, ou não é industrial por ter sido da Câmara de Arbitragem da FIESP. Eu poderia surfar nas ondas do inconformismo e da revolta e beneficiar-me com o aplauso fácil dos que combatem Fachin, mas seria indigno do apoio dos paranaenses que me conferiram quase 80% dos votos nas ultimas eleições. Vou continuar registrando as criticas, assimilando os ataques, mas com coerência desatenderei os apelos da paixão política que embalam a muitos neste momento de indignação nacional . Continuarei no combate. Ninguém será mais veemente contra a corrupção e os desmandos do governo. Mas para ter autoridade e credibilidade, não desperdiçarei a oportunidade de contribuir para que chegue ao Supremo Tribunal Federal alguém que certamente o honrará com atuação marcada pela imparcialidade, independência, competência e honestidade. E certamente os que hoje o criticam aplaudirão, aliás, como ocorreu com Joaquim Barbosa”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp