Senador diz que sociedade tem o direito de conhecer “caixa-preta” do BNDES

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

No discurso em plenário, nesta quinta-feira (9/4), ao criticar a retirada de assinaturas dos requerimentos de CPIs, o líder da oposição, senador Alvaro Dias falou sobre a importância de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o BNDES: “Há quantos anos cobramos? Particularmente, desde 2005, venho tentando investigar os negócios envolvendo o BNDES. Há desvio de finalidade? Sim, com a concentração dos recursos em benefício de grandes grupos econômicos e, sobretudo, desvio de finalidade com empréstimos oferecidos por meio de grandes empreiteiras de obras públicas do nosso País para a realização de obras em outras nações como Cuba, Angola, países da África, Venezuela, Equador, Bolívia, Peru, Argentina, etc. São empréstimos vultosos com taxas de juros privilegiadas. E é o trabalhador, através do FGTS, FAT e Imposto de Renda, que subsidia as taxas de juros que beneficiam grupos econômicos aqui e governos no exterior”, disse.

Segundo Alvaro Dias, mais de R$400 bilhões foram transferidos do Tesouro Nacional para que o BNDES pudesse alavancar empréstimos significativos para beneficiar outros países, em detrimento do interesse nacional. “Não sabemos, de modo geral, prazo de carência, objetivo do empréstimo e taxas de juros. Muitos empréstimos são sigilosos, como os que foram concedidos a Cuba e Angola – razão de termos impetrado um mandato de segurança no Supremo Tribunal Federal. A impopularidade do atual governo tem como causa inúmeras ações administrativas, escândalos de corrupção, mas, certamente, tem como causa, também, esse tratamento que é oferecido, por meio do BNDES, a outros países, notadamente àqueles que possuem governantes autoritários. São governos quase sempre corruptos e ditatoriais, um estímulo à corrupção internacional. A caixa-preta do BNDES precisa ser aberta. O povo brasileiro tem o direito de saber o que fazem com o seu dinheiro”, finalizou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp