Senador pede bom senso em disputa de guarda envolvendo família do Paraná

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

No discurso que fez em plenário, nesta segunda-feira 11/9), o senador Alvaro Dias falou sobre a complexa disputa de guarda de crianças no plano internacional, citando como exemplo um caso de uma família do Paraná. “É um caso emblemático que nos sensibiliza enormemente e cujo itinerário trilhado vai de encontro aos procedimentos desejados na esfera do direito de família e do bem-estar do menor impúbere”, disse.

O senador se referiu a uma menina de 3 anos, que possui dupla nacionalidade (francesa e brasileira), filha da psicóloga e professora universitária Valéria Ghisi Silveira. A criança foi trazida ao Brasil pela mãe em julho de 2014, em viagem autorizada pelo pai, e foi devolvida à França em novembro do ano passado, numa ação que envolveu até viaturas policiais. “O papel exercido pela Advocacia-Geral da União (AGU) no pedido de busca e apreensão e restituição de menor por meio de auxílio direto da cooperação jurídica internacional, fundamentado na Convenção de Haia, nos causou perplexidade, considerando que a postura da AGU deveria ser a proteção e salvaguarda da menor de nacionalidade também brasileira”, destacou.

Alvaro Dias relatou ainda que acompanhou a família em uma audiência na Secretaria Especial de Humanos: “Sem desejar emitir juízo de valor sobre o processo judicial em curso, me permito citar o Professor Doutor Jorge Fontoura que contrapôs as teses da AGU, afirmando que, mesmo na Convenção de Haia, o mais importante é a saúde e o interesse da menor”.

Mas, segundo o senador, a execução provisória que motivou o retorno da menor à França, infelizmente, desconsiderou o entendimento até então vitorioso, bem como extinguiu as salvaguardas impostas pela sentença como condicionantes para o retorno da menor e de sua mãe à França. Valéria, uma mãe desesperada, que responde a processo criminal, aguarda decisão de apelação no TRF da 4° Região há mais de um ano: “Esperamos que essa importante corte de justiça se pronuncie e traga luz a esse caso. É preciso lançar um olhar humanitário sobre esse caso e perseguir a todo custo o bem-estar da menor. Que o bom senso prevaleça e que a criança possa recuperar os laços afetivos construídos em nosso País”, finalizou o senador.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp