Proposta de pacto para que novo Congresso aprove reforma política

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O senador Alvaro Dias apoiou, na manhã desta quarta-feira, a aprovação do projeto de minirreforma eleitoral, que tem como objetivo diminuir custos de campanha e modificar pontualmente a legislação eleitoral. Apesar de defender a aprovação, Alvaro Dias afirmou, entretanto, que o projeto não redime o Congresso da falha, perante a sociedade, de jamais ter conseguido concluir a votação de uma reforma política de profundidade.

“Esse projeto de minirreforma eleitoral traz mudanças de procedimento na legislação que são extremamente positivas, e que podem levar a uma mudança de comportamento nas campanhas eleitorais. Mas mesmo a aprovação dessa minirreforma não elimina a vergonha do Congresso diante dos brasileiros por não ter conseguido realizar a reforma política, há tanto tempo reivindicada. Os parlamentares deveriam pedir perdão à população, porque a reforma política já deveria ter sido promulgada há muito tempo. Lembro que aqui no Senado, aprovamos uma reforma em 1999, com todos os itens como financiamento, coligações, sistema, mas o projeto acabou se perdendo nas gavetas da Câmara”, afirmou o senador.

Ainda na discussão da minirreforma, Alvaro Dias voltou a defender a tese de que o Congresso eleito em 2014 se comprometa com a elaboração e votação da reforma política. Para o senador, deputados e senadores deveriam assumir esse compromisso durante a campanha eleitoral do ano que vem, e com isso a população poderia cobrar com maior rigor dos seus representantes a concretização das mudanças na legislação política e eleitoral do País.

“Este deveria ser um pacto celebrado entre todos os partidos políticos, um compromisso de todos de que o Congresso eleito nas urnas de 2014 discutirá e finalizará uma proposta ampla de reforma política. Com esse compromisso, os senadores e deputados poderão ser cobrados depois pelos eleitores caso a reforma novamente não ande. Um Congresso energizado pelas urnas terá mais autoridade de debater a reforma política, e de oferecer um modelo compatível com as exigências da sociedade”, disse o senador Alvaro Dias.

Foto: Laurent Giraudou/Veja

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp