Proposta de Alvaro Dias garantiu recursos das loterias para formação de atletas olímpicos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Uma proposta do senador Alvaro Dias para alterar a Lei Pelé foi a responsável por criar novos programas de incentivo ao esporte no Brasil. Foi em 2011 que a Lei 12.395, sancionada após ter sido aprovada pelo Congresso, contou com a proposta apresentada por Alvaro Dias que garantiu à Confederação Brasileira de Clubes 1/6 dos recursos destinados ao Ministério dos Esportes e provenientes, por exemplo, de prêmios e concursos da Loteria Federal, com objetivo de formar atletas olímpicos e paralímpicos. O texto da nova lei, com a inclusão de emenda do senador Alvaro Dias, possibilitou a destinação de recursos para a manutenção e ampliação do trabalho desenvolvido por cerca de 1.386 associações esportivas, filiadas à Confederação Brasileira de Clubes, que passaram a receber repasses por intermédio das loterias esportivas.

De 2011 em diante a então Confederação Brasileira de Clubes (que posteriormente passou a se chamar Comitê Brasileiro de Clubes) passou a receber os recursos das loterias para ajudar os clubes esportivos a fomentar e estimular a prática de esportes, com foco principalmente na formação de atletas olímpicos e paraolímpicos. Em 2018, entretanto, o então presidente Michel Temer editou medida provisória que modificava a destinação do produto da arrecadação das loterias. A medida acabou por reduzir a destinação de recursos para o esporte brasileiro, principalmente na formação de atletas olímpicos e paraolímpicos, já que o relatório do senador Alvaro Dias que se tornou a Lei 12.395 garantiu o repasse de 1/6 dos recursos de loterias, e a medida posterior de Temer, que redefiniu as alíquotas de distribuição, rebaixou o repasse para 0,5% ao Comitê Brasileiro de Clubes.

“Tive o privilégio de ser o relator do projeto que promoveu alterações na Lei Pelé para criar novos programas de incentivo ao esporte. O projeto foi transformado na Lei 12.395, sancionada com a emenda de minha autoria que garantiu à Confederação Brasileira de Clubes, para formação de atletas olímpicos e paraolímpicos, 1/6 dos recursos destinados ao Ministério dos Esportes e provenientes, por exemplo, de prêmios e concursos da Loteria Federal. O texto da nova lei, com a inclusão de minha emenda possibilitou a destinação de recursos para a manutenção e ampliação do trabalho desenvolvido por cerca de 1.386 associações esportivas, filiadas à Confederação Brasileira de Clubes, que passaram a receber repasses por intermédio das loterias esportivas. A minha emenda, presente na lei sancionada pela presidência da República em 2011, garantiu mais de R$ 55 milhões aos clubes esportivos sociais por ano, e o mais importante: impôs que os recursos fossem utilizados exclusivamente para a formação de atletas olímpicos e paraolímpicos. Com esta garantia, os clubes passaram a poder cumprir sua função de formar novos atletas brasileiros”, disse Alvaro Dias.

A emenda do senador Alvaro Dias proporcionou um repasse de R$ 444 milhões nos últimos seis anos e meio ao Comitê Brasileiro de Clubes.

2021 (até agora) – R$ 37.102.000
2020 – R$ 82.763.000
2019 – R$ 79.652.000
2018 – R$ 55.782.000
2017 – R$ 62.510.000
2016 – R$ 58.462.000
2015 – R$ 67.990.000
Total: R$ 444.261.000

Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 contam com a participação de 303 atletas brasileiros, em 33 modalidades esportivas. O Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) fez um levantamento de todos convocados e identificou que 88% deles, o que corresponde a 268 atletas, são oriundos dos Clubes formadores, mostrando a importância do segmento clubístico para o desenvolvimento do esporte de alto rendimento brasileiro e para as conquistas do País. Ao todo, 142 Clubes foram responsáveis pela formação dos atletas convocados para os Jogos de Tóquio, com destaque para o Esporte Clube Pinheiros-SP, responsável por 38 dos atletas convocados, Minas Tênis Clube-MG, por 11 atletas, Clube de Regatas do Flamengo-RJ, responsável pela formação de 8 dos convocados e a Sociedade de Ginástica Porto Alegre – Sogipa-RS, com 7 convocações, representando 21% da delegação olímpica. Os Clubes são beneficiados pelos recursos de loterias garantidos pela Lei 12.395, que teve Alvaro Dias como relator no Congresso, e que foi o responsável por inserir os clubes esportivos nos repasses.

Atletas beneficiados com os recursos repassados ao Comitê Brasileiro de Clubes:

– Mayra Aguiar, atleta da Sociedade de Ginástica Porto Alegre – Sogipa-RS, é considerada Embaixadora do Comitê Brasileiro de Clubes, e conquistou a medalha de bronze na categoria até 78kg no Judô, sua terceira medalha olímpica;

– Daniel Cargnin, judoca da Sociedade de Ginástica Porto Alegre – Sogipa-RS, também conquistou um bronze. Outro beneficiado diretamente pela lei gerada a partir do relatório do senador;

– Rebeca Andrade, medalha de ouro e de prata na Ginástica Artística, treina no Clube do Flamengo, que faz parte do Comitê Brasileiro de Clubes;

– Fernando Schaffer, que recebeu medalha de bronze na natação, é atleta do Minas Tênis Clube, um dos principais clubes esportivos beneficiados com os recursos do CBC.

– Bruno Fratus, que recebeu medalha de bronze na natação, também é atleta do Minas Tênis Clube.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Uma resposta

Os comentários estão desabilitados.