Por desinteresse do governo e aliados, medida de Dilma para reajustar tabela do Imposto de Renda fica na promessa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

No último dia 1º de maio, a presidente Dilma Rousseff fez pronunciamento em cadeia de rádio e TV, no dia do trabalhador, e em um discurso de forte cunho eleitoral, Dilma afirmou ter assinado uma medida provisória corrigindo a tabela do Imposto de Renda, “para favorecer aqueles que vivem da renda do seu trabalho”. Segundo a presidente, a medida iria significar “um importante ganho salarial indireto e mais dinheiro no bolso do trabalhador”. Pois a medida de Dilma, que previa reajuste de 4,5% na tabela do IR a partir de janeiro de 2015, acaba de perder validade por falta de esforço do governo e de seus aliados no Congresso para votá-la a tempo.

O reajuste da tabela do Imposto de Renda foi anunciado pela presidenta Dilma por ocasião do Dia do Trabalhador e, posteriormente, foi encaminhado pelo governo ao Congresso a MP reajustando a tabela do IR. Pela MP, a faixa de isenção do IR passaria de R$ 1.787,77 para R$ 1.868,22. A alíquota de 7,5% seria paga por trabalhadores que ganham de R$ 1.868,23 a R$ 2.799,86; a de 15%, pelos que recebem entre R$ 2.799,87 e R$ 3.733,19; a de 22% por trabalhadores que ganham de R$ 3.733,19 a 4.664,68 e a alíquota de 27,5% seria paga pelos que ganham acima de R$ 4.664,68. Por falta de interesse do governo e de sua base aliada no Congresso em aprovar a medida, ela irá ao arquivo por decurso de prazo, quando vence todo o período legal que é imposto para sua votação. A promessa de Dilma, de reajustar a tabela do Imposto de Renda, não sairá no próximo ano.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp