Plano aprovado pelo Senado “não realiza os sonhos da juventude brasileira”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O senador Alvaro Dias travou intensa batalha no Plenário, nesta terça-feira (17), com representantes da base aliada do governo em torno da votação do PLC 103/2012, o projeto que estabelece o novo Plano Nacional de Educação para os próximos dez anos. O empenho de Alvaro Dias objetivava garantir que o Plano aprovado pelo Senado contivesse as alterações aprovadas na Comissão de Educação, e que, além de possibilitar maiores avanços à educação brasileira, impediria que o projeto fosse uma mera “carta de intenções”.

“As diferenças que separam o meu projeto para o PNE e o do governo são definidoras do tipo de educação que se quer para o País. Não basta o discurso, não basta a manifestação de vontade política, que é preciso que se estabeleçam normas efetivas que obriguem ao cumprimento de todas as metas que estão neste Plano. O Governo suprimiu a delimitação do investimento público em educação de maneira excessivamente abrangente. Portanto, não há segurança em relação ao percentual do PIB que se transferirá para a educação pública no Brasil com esta proposta que está sendo aprovada. A nossa proposta conferia, com maior clareza, nitidez e veemência, que os recursos seriam destinados especialmente ao sistema educacional público no País, e além de tudo, não vejo como esse Plano possa ser executado se não estabelecermos a questão da responsabilidade educacional”, afirmou o senador paranaense.

Apesar do esforço do senador e da bancada de oposição, o projeto governista para o Plano Nacional de Educação foi aprovado na noite desta terça-feira (17) no plenário. O texto aprovado foi o substitutivo que saiu da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, mas com a inclusão de 53 alterações no texto propostas pelo senador Alvaro Dias, com aperfeiçoamentos em diversas metas e artigos do Plano. A matéria agora deverá retornar à Câmara dos Deputados, pois houve modificações no Senado.

Mesmo destacando que o acolhimento, pelo governo, das 53 alterações que propôs no projeto conferem avanços ao Plano, o senador Alvaro Dias reafirmou seu pessimismo em relação ao futuro da educação no País. Para ele, o PNE, da forma como está sendo enviado à Câmara, não atende às aspirações do povo brasileiro.

“As propostas que fizemos foram acolhidas em parte, e elas atenderam, sobretudo, ao reclame da sociedade. O PNE que foi aprovado acolhe 54 das alterações que promovemos no texto que chegou à Comissão de Educação. Ocorre, no entanto, que alterações essenciais não foram acolhidas pelos parlamentares governistas. Isto é um erro. O PNE não é um projeto de governo, tem de ser um projeto de Estado, um projeto do Brasil, um projeto da sociedade brasileira. Nós, da oposição, representamos aqui os que querem a escola avançada, o sistema educacional evoluído, aqueles que propõem um salto de qualidade na educação do Brasil. O governo, entretanto, ficou do lado daqueles que defendem o conservadorismo, a manutenção do estágio dramático a respeito da educação no País. Todos nós sabemos que a educação é o instrumento capaz de mudar o mundo, e nós estamos desperdiçando a oportunidade de mudar o Brasil ao não adotarmos um Plano Nacional da Educação que possa representar as expectativas do povo brasileiro, que seja para valer, que seja para ser executado, que seja a realidade dos nossos sonhos, que seja a realização dos sonhos da juventude brasileira. Este plano, lastimavelmente, não realiza o sonho de ninguém em matéria de educação no Brasil”, argumentou o senador Alvaro Dias.

Foto: Luiz Wolff

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp