PEC de Alvaro Dias confirma prisão em segunda instância e derruba privilégios de parlamentares na Constituição

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Já está tramitando no Senado Federal a proposta de emenda à Constituição apresentada pelo senador Alvaro Dias, que legitima a prisão de condenados em segunda instância. A PEC, além de acabar com a competência do Senado e da Câmara de poder decidir sobre manutenção ou não de prisão em flagrante de parlamentar. O texto do projeto apresentado pelo senador também retira da Constituição a competência das duas Casas do Congresso de sustar o andamento de processos contra parlamentares por crimes ocorridos após a diplomação. A PEC já deve ser enviada para a Comissão de Constituição e Justiça para iniciar tramitação.

Ao justificar a apresentação do projeto, o senador Alvaro Dias afirmou que após a aprovação do fim do foro privilegiado, que representou um notável avanço rumo a tornar todos iguais perante a lei, era preciso ainda acabar com outros privilégios que permanecem na Constituição.

“Nossa Constituição diz que todos somos iguais perante a lei, mas o próprio texto constitucional abriga alguns privilégios que ainda não foram suprimidos. Restam ainda algumas prerrogativas que são benefícios dos parlamentares. Uma das vantagens desta PEC, que recebeu o apoio de 28 senadores, é legalizar constitucionalmente a prisão após condenação em segunda instância. Com isso, encerramos essa discussão, porque hoje a prisão ocorre não em função da Constituição, mas em razão de jurisprudência do STF. Com essa proposta, estamos legalizando constitucionalmente esta questão, e não dependeremos mais inclusive de recursos. Com a PEC, suprimimos também a prerrogativa do Congresso de aprovar ou rejeitar a prisão de um parlamentar, a exemplo do senador Delcídio, que preso, teve que ser submetido ao Senado para a convalidação da prisão. Na nossa PEC, que começa a tramitar, suprimimos este dispositivo e um outro que possibilita ao parlamento suspender ações penais em curso. Estes são privilégios que precisam ser retirados da nossa Constituição, pois o que a sociedade deseja é que todo brasileiro seja realmente igual perante a lei”, afirmou Alvaro Dias.

A proposta apresentada pelo senador Alvaro Dias recebeu o apoio de 28 senadores, e pretende modificar o artigo 53 da Constituição. A PEC acrescenta ao texto constitucional um novo parágrafo, que consagra a seguinte redação: “desde a expedição do diploma, os membros do Congresso Nacional estarão sujeitos a prisão em flagrante de crime inafiançável, quando sobrevier condenação em segundo grau, ou preventiva e temporariamente quando utilizarem o cargo para a prática de crime”.

A PEC de Alvaro Dias também acaba com o parágrafo 2º do artigo 53 da Constituição, que estabelece a competência da Câmara e do Senado de sustar o andamento de processos contra parlamentares por crimes ocorridos após a diplomação. “Efetivamente, pretende-se abolir do texto constitucional expedientes que não se justificam no Estado Democrático de Direito que a sociedade brasileira vive, e que quer ver aprimorado. Dessa forma, conta-se com o apoio dos Parlamentares para aprovação desta Proposta, tendo em vista seus impactos positivos para a efetividade do sistema penal e a promoção cada vez mais do princípio da igualdade perante as leis”, afirma o senador na justificativa de sua proposta.

 Leia a íntegra da PEC

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp