O futuro da educação no País, a discussão mais importante atualmente no Congresso

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Relator do projeto de lei da Câmara (PLC 103/2012) que trata do Plano Nacional de Educação para os próximos dez anos, o senador Alvaro Dias criticou, durante audiência pública realizada na manhã desta quinta-feira (31) na Comissão de Educação, o desinteresse de grande parte dos educadores e das entidades da sociedade em relação ao debate sobre o texto. Para o senador, o plano, que contém 20 metas e estratégias a serem seguidas pelo governo federal para melhorar o setor educacional, não tem recebido a atenção devida nem mesmo de parlamentares ou profissionais do setor que, nas ruas, reivindicam por melhorias, como na questão salarial.

“Há uma inversão de valores e prioridades. Não há nada mais importante em debate no Congresso neste momento do que o PNE. Eu não entendo como educadores e entidades representativas do país se comportam de forma tão passiva diante de fato tão preponderante para o futuro”, desabafou o senador. Ele citou a realização de manifestações recentes, como a de professores no Rio de Janeiro, em que se reivindicavam aumentos salariais, e lamentou não haver o mesmo entusiasmo, contundência e disposição tanto para discutir o futuro da educação como para cobrar do Congresso a aprovação de um Plano Nacional que garanta a valorização do magistério.

“É por isso que muitos perguntam se este País tem futuro, diante do cenário de desinteresse que presenciamos. Estamos aqui no Senado discutindo o que queremos para melhorar a educação brasileira nos próximos dez anos, e quantas pessoas estão interessadas, estão aqui participando com suas ideias, sugestões, experiências? Quantas pessoas estão aqui exercendo o direito de pressionar o Congresso na direção daquilo que se almeja para o País?” questionou o senador. Para o senador, o desinteresse verificado na discussão do PNE é resultante do descrédito do Congresso como instituição perante a sociedade.

“As instituições públicas estão desgastadas, desacreditadas. O Congresso está desacreditado, por isso as pessoas não acreditam que este plano é para valer, não acreditam que estamos elaborando um plano que será de fato executado. Os brasileiros pensam tratar-se de um plano de intenções que não sairão do papel. Vemos aqui no Congresso muitos discursos em defesa da educação, com argumentos de que melhorar o sistema educacional é uma prioridade, mas na prática não é o que vemos. Todo dia verificamos que há lobbies poderosos que pressionam os parlamentares quando há um interesse econômico imediato, mas quando se trata de discutir o futuro do País, não vemos manifestações nem pressões de forma alguma. É preciso sair do discurso para a ação, e é aqui, na discussão do PNE, que iremos contribuir para a melhoria da qualidade da educação, fator primordial para o desenvolvimento do Brasil”, concluiu o senador.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp