Não à encenação governista na CPI dominada que nada investigará

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

“Uma dose maior de sinceridade ficaria bem para este Parlamento, e da mesma forma uma dose menor de encenação, pois já se passaram 45 dias desde que conseguimos as assinaturas para a criação da CPI da Petrobras, e até agora nenhuma comissão foi instalada”. A afirmação é do senador Alvaro Dias, que criticou a estratégia do governo e da Mesa Diretora em ganhar tempo para inviabilizar a instalação e posterior investigação pela CPI da Petrobras. Para o senador, o governo tenta esticar fazer com que a comissão de inquérito comece a funcionar próximo ao início da Copa do Mundo, para que não receba a atenção da opinião pública e, com isso, deixe de investigar os escândalos envolvendo a estatal.

“Nós teremos essa CPI instalada às portas da Copa do Mundo, onde o interesse midiático se volta para os estádios de futebol, e não para o Parlamento brasileiro. As atenções gerais da população se voltam também para os estádios de futebol, e não para o Congresso Nacional; nós sabemos disso. A Copa termina no dia 13 de julho, e no dia 17 de julho o Congresso entra em recesso. Em agosto, nós teremos uma campanha eleitoral que é o momento cívico da democracia, é o ápice do processo democrático, uma campanha eleitoral onde o povo brasileiro vai fazer opção sobre o seu futuro. Então, é evidente que qualquer CPI nesse período fica num plano secundário. Essa é a estratégia desenhada. Nós temos que dissertá-la e expô-la diante da opinião pública”, afirmou o senador Alvaro Dias.

Na sessão plenária, Alvaro Dias afirmou que a oposição não irá compactuar com qualquer farsa que se pretenda impor em relação à instalação das CPIs. Para ele, a presidência do Senado, mesmo cumprindo o regimento com a indicação de membros da comissãop de inquérito, na verdade contribui com a estratégia governista de protelar e abafar as investigações.

“Eu não vou participar de nenhuma encenação, de nenhuma farsa. Irei para a CPI mista por um apelo do meu partido, não me recusarei a participar, mas estarei lá para, permanentemente, denunciar a farsa. Porque, certamente, não pretenderão admitir a investigação para valer, a quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico de quem se deve quebrar. Quer dizer, não permitirão que sejam tomadas todas as providências que se devem adotar para que uma CPI investigue e possa colher os indícios necessários, as provas documentais possíveis, os depoimentos colhidos, as informações sigilosas compartilhadas, para que o Ministério Público possa instaurar os procedimentos e responsabilizar civil e criminalmente aqueles que se envolveram nesse monumental escândalo de corrupção que dilapida o patrimônio da Petrobras”, concluiu o senador.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp