Medida eleitoreira: governo socorre empresas do setor elétrico com 12 bi, e adia aumento da conta para 2015

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Para tentar reduzir o rombo que o próprio governo causou nas distribuidoras de energia, e para evitar um aumento na conta de luz em um ano eleitoral, o Ministério da Fazenda anunciou um pacote de socorro às empresas elétricas, que deve chegar a R$ 12 bilhões. O governo Dilma quer evitar que sobre para os consumidores a conta da forte estiagem que atinge o Brasil, e para adiar o impacto no bolso da população e evitar que a contabilidade feche sem “sangrar” o Tesouro, haverá aumento de imposto nos próximos meses. O pacote será desmembrado. A maior parte do dinheiro, R$ 8 bilhões, virá de um financiamento bancário à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), onde é negociada diariamente a energia disponível das geradoras às distribuidoras. Outros R$ 4 bilhões do pacote virão dos cofres públicos – serão aportados pelo Tesouro Nacional no principal fundo setorial, a Conta de Desenvolvimento de Energia (CDE). No ano que vem, a Aneel vai fazer um balanço dos custos das distribuidoras em 2014, levando em conta o buraco de R$ 12 bilhões que será fechado pelo pacote, e “transferir” para a conta de luz. “A impressão que dá é que se deixou para depois de novo. A leitura do mercado é que o governo, para ganhar a eleição, está deixando tudo para depois”, disse ao jornal Estado de S.Paulo o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp