Medida de Dilma repassa mais 24 bilhões ao BNDES, para empréstimos a empresas e países amigos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Poderá ser votado nesta semana, na Câmara dos Deputados, o relatório final sobre a Medida Provisória 628/13, editada por Dilma Rousseff para liberar R$ 24 bilhões do Tesouro Nacional para o BNDES. Segundo o texto da medida, os recursos bilionários que serão transferidos ao banco devem financiar projetos de investimento de longo prazo na área de infraestrutura e em outros segmentos considerados estratégicos pelo governo federal.

O crédito concedido pelo Tesouro ao BNDES será remunerado pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP). Para o senador Alvaro Dias, mais uma vez o Tesouro Nacional terá prejuízo com esse repasse bilionário de verbas ao BNDES. Como lembra o senador, o custo da dívida pública mobiliária federal vem subindo e já passou de 12%, enquanto o BNDES paga pelos empréstimos juros de 5%.

“O BNDES e outras instituições oficiais de crédito têm recebido vultosos recursos subsidiados do Tesouro Nacional que são repassados na forma de operações de crédito a tomadores finais. Os custos do Tesouro Nacional com as emissões que lastreiam esses empréstimos finais têm sido sistematicamente superiores ao retorno que obtém e, o que é mais preocupante, esses custos têm crescido exponencialmente. Apenas para ilustrar, entre dezembro de 2012 e dezembro de 2013, o custo da dívida pública mobiliária federal interna subiu de 11,72% ao ano para 12,35% ao ano, enquanto a TJLP – que é o que a União recebe do BNDES – caiu de 5,5% ao ano para 5% ao ano no mesmo período. Assim, o subsídio que era de 6,2% ao ano subiu para 7,4% ao ano. Quem paga essa diferença é o contribuinte”, disse o senador.

Além de receber repasses de recursos subsidiados do Tesouro, o BNDES, como lembra o senador, empresta milhões a empresas selecionadas pelo governo e países amigos, como Cuba e Angola, em condições contratuais vantajosas (para os que recebem o dinheiro), e em uma operação de crédito com informações guardadas a sete chaves. É para acabar com este sigilo que o senador Alvaro Dias apresentou projeto que acaba com o segredo bancário nas operações de instituições oficiais de crédito para governos estrangeiros. O senador argumenta que os bancos privados já garantem a transparência de suas atividades com a publicação de suas operações, e até mesmo o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento também dão publicidade aos seus empréstimos, “menos o BNDES, com os seus empréstimos e contratos sigilosos com Cuba e ditaduras africanas”.

O projeto do senador Alvaro Dias para acabar com sigilo nos empréstimos do BNDES, o PLS 26/2014 – Complementar, terá que ser apreciado e votado em três comissões: Relações Exteriores e Defesa Nacional; Constituição, Justiça e Cidadania; e de Assuntos Econômicos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp