Más condições de rodovias aumentam custo do transporte, e com cortes do governo, situação deve piorar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) revela que “as más condições do pavimento de rodovias brasileiras elevam em 30,5%, ou R$ 3,8 bilhões, o custo operacional do transporte de soja e milho do país”. Para realizar a pesquisa, a entidade analisou as rotas de escoamento de quatro regiões produtoras: Centro-Oeste, Paraná, Rio Grande do Sul e Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí, Bahia), coletando dados com transportadores, embarcadores e entidades governamentais e não governamentais relacionadas ao segmento. De acordo com a CNT, o montante gasto a mais por conta das más condições das estradas corresponde ao valor de quase 4 milhões de toneladas de soja ou a 24,4% do investimento público federal em infraestrutura de transporte em 2014.

E a situação pode piorar ainda mais. Com a decisão do governo Dilma de promover cortes severos no Orçamento da União, o Ministério dos Transportes acabou sendo um dos mais afetados, com contingenciamento de 36% de seus recursos. O valor previsto no Orçamento de 2015 para custeio e investimento no setor era de R$ 15,9 bilhões, e foi reduzido para R$ 10,2 bilhões. Levantamento do jornal “Folha de S.Paulo” mostrou que o ministério fez empenhos para obras em pelo menos 54 rodovias federais em 2014. Com isso, metade delas não teria recursos garantidos. Mas há outros problemas.

Em 2014, a despesa empenhada (ou seja, o que o governo se comprometeu a pagar) para custeio e investimento alcançou R$ 13,8 bilhões no setor. Com a falta de recursos no fim do ano, R$ 6 bilhões em despesas empenhadas ficaram para ser pagos em 2015, o que corresponde a mais de metade do que está liberado para gasto neste ano. Desta forma, será muito difícil para o governo manter as obras em execução. Isso porque a despesa de custeio do ministério (aluguel, passagens etc) alcançou R$ 1,3 bilhão em 2014. Se for cortada em 36%, por exemplo, ainda seria perto de R$ 1 bilhão. Com isso, restariam R$ 9 bilhões para obras. De acordo com a “Folha”, no ano passado, somente os contratos de manutenção de estradas federais somaram R$ 4,8 bilhões em empenhos. Se esses contratos forem paralisados, o resultado serão estradas ainda mais esburacadas até o fim do ano.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp