Homenagem a Marcelo Alencar, ex-governador do Rio de Janeiro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O senador Alvaro Dias apresentou na tarde desta terça-feira (10), no Plenário, requerimento de Voto de Pesar pelo falecimento do ex-senador, ex-prefeito e ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Marcelo Nunes de Alencar, ocorrido na madrugada de hoje. Ao fazer sua homenagem ao ex-presidente de honra do PSDB do Rio, o senador Alvaro Dias elencou alguns dos feitos da carreira de Marcelo Alencar como advogado e na vida pública, notadamente na resistência à ditadura militar.

No Plenário, Alvaro Dias destacou que Marcelo Alencar iniciou-se na vida pública nos anos 60 do século passado, quando se elegeu senador pelo antigo Estado da Guanabara. Lembrou que Alencar logo teve sua carreira política interrompida, em 1969, quando tornou-se um dos oito senadores cassados pelos militares com base no famigerado Ato Institucional nº 5. Com a Lei da Anistia, Marcelo Alencar retornou à vida pública, aderindo ao projeto político do então líder oposicionista Leonel Brizola, que acabara de criar o PDT. Eleito governador, Brizola o convocou para presidir o Banerj. Posteriormente, quando os prefeitos de capitais ainda eram nomeados pelos governadores, colocou-o à frente da prefeitura do Rio.

“Sua passagem pela prefeitura deixou marcas tão positivas que em 1989, após o governo Saturnino Braga, Marcelo Alencar retornou à prefeitura, desta vez pelo voto popular. Por uma série de divergências, rompeu com Brizola e filiou-se ao PSDB, ajudando a eleger Fernando Henrique Cardoso para a presidência da república e elegendo-se governador do Estado do Rio. Tão marcante como sua passagem pelo nosso cenário político foi a simultânea atuação de Marcelo Alencar como advogado de presos políticos durante os governos militares. Figuras como o então líder estudantil Vladimir Palmeira, os ex-deputados Marcio Moreira Alves, Hermano Alves, José Frejat, Ciro Kurtz, Fabiano Villanova e Lysâneas Maciel, bem como o crítico de arte Mário Pedrosa, integram a lista de perseguidos pelo governo militar que Marcelo Alencar defendeu na Justiça. Por sua marcante passagem pela vida pública e pela notável e corajosa atuação como advogado na defesa das vítimas da repressão, não tenho dúvida de que o Senado Federal irá concordar em que Marcelo Nunes Alencar é plenamente merecedor desta homenagem que sinto-me tão honrado quanto triste em propor”, afirmou o senador Alvaro Dias.

Foto: arquivo do GLOBO 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp