Governo volta a defender a recriação da CPMF, o malfadado “imposto do cheque”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

No início de seu segundo mandato no Ministério da Saúde, o ministro Arthur Chioro voltou a defender a criação de uma contribuição para financiar o setor, que compensaria o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), diante da dificuldade econômica atual. Em entrevista ao ‘Estado de S. Paulo’, Chioro defende a necessidade de o governo federal dar garantia, para a sociedade, da sustentabilidade do sistema de saúde, e para isso, segundo ele, seria preciso ampliar o financiamento deste serviço, com a criação do novo imposto.

O senador Alvaro Dias, por diversas vezes nos últimos anos, se manifestou contrário à criação de um novo imposto ou pela reativação da CPMF. Para Alvaro Dias, a intenção de criar um novo imposto é uma confissão de incompetência administrativa do governo do PT, já que, afirma, o problema da saúde pública não é de dinheiro, mas, sim, de gestão, agravado pela corrupção e pelo desvio de bilhões de reais que deveriam ir para o sistema.

“É fácil para este governo falar em criar ou recriar impostos. O que tem sido difícil para ele é falar em realizar uma reforma administrativa, em adotar programa de controle dos gastos públicos e combater implacavelmente o superfaturamento de obras e a corrupção. Portanto, falar em recriação da CPMF é uma afronta, um escárnio, é subestimar a inteligência da população, é um acinte às pessoas de bem que trabalham duro para pagar impostos, muitas vezes sem poder pagar, porque pagam impostos demais. O Banco Mundial, há algum tempo, realizou um diagnóstico e concluiu que o problema da saúde pública brasileira é a incompetência de gerenciamento, a ausência de planejamento e organização e a desonestidade, com o desvio de bilhões de reais. Não há, então, por que criar novo imposto, ainda mais quando se verifica que ano a ano a receita com impostos cresce, e cresce significativamente. O dinheiro para o serviço de saúde pública de qualidade está depositado nos cofres da União, tem origem nos tributos recolhidos pela Receita Federal. Falar em novo imposto? Não! Decididamente, não!”, afirmou o senador Alvaro Dias.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp