Governo manobra e cria órgão público igual a outro que já existe, “um novo cabide de empregos”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O senador Alvaro Dias tentou barrar, no início da reunião da CCJ na manhã desta quarta-feira, a aprovação de um projeto do governo Dilma para criação de mais um órgão público: a Anater (Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural). O senador defendeu a rejeição ao projeto e exigiu a realização de votação nominal, alegando que a nova estrutura que está sendo criada tem as mesmas funções da Emater, empresa de assistência técnica e extensão rural que presta serviços aos agricultores. O senador criticou a criação de mais uma estrutura em um momento no qual o governo federal tem dificuldades para fechar suas contas.

“Temos questionado de forma recorrente a superposições de ações e os paralelismos deste governo, que aumentam extraordinariamente as despesas correntes. O número de ministérios, 39 oficiais e mais o extraoficial da propaganda, vai se tornando motivo para chargistas. E não bastasse, ainda se está criando uma nova estrutura que, na verdade, é mais um cabide de emprego. Não há justificativa para a criação de mais um órgão público, e é uma contradição um governo que já esgotou sua capacidade de investir produtivamente, que consome praticamente toda a sua receita na manutenção desta gigantesca máquina pública, querer agora inventar mais uma estrutura. Não é nada mais do que um cabide novo, e mais aparelhamento do Estado”, disse o senador.

Com o pedido de votação nominal feito pelo senador, os assessores de parlamentares do governo correram pelos corredores para garantir a presença de senadores na votação, e com essa estratégia, o projeto que cria a Anater foi aprovado.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp