Governo adiou votação de vetos porque temia derrota

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Diante da decisão do Congresso Nacional de adiar a votação do veto total ao projeto que estipula novas regras para a criação, incorporação, fusão e desmembramento de municípios, na noite desta terça-feira (18/02), líderes governistas disseram que o momento agora é de busca de consenso.

A falta de quórum foi o principal argumento para o adiamento. Parlamentares descontentes com o requerimento do governo para encerrar a discussão sobre o veto se valeram de uma manobra regimental e obstruíram a votação, não registrando a presença no painel.

Para o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), o adiamento da votação ocorreu porque o governo federal temia uma derrota, uma vez que havia um movimento forte na Câmara dos Deputados pela derrubada do veto. “Certamente o governo vai ganhar tempo para negociar com os parlamentares que estão resistindo aos apelos”.

Apesar de considerar legítimo o uso do Regimento do Congresso Nacional para adiar o exame dos vetos, Alvaro Dias está preocupado com os rumos das negociações: ”O que condenamos sempre é o método de convencimento. Usar o regimento para ganhar tempo é legítimo. O que não é legítimo é barganhar com recursos públicos, com cargos públicos e o nosso receio é que o governo tenha tempo para isso”, disse o senador à Agência Senado.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp