Estadão: Dilma e Gabrielli tiveram três reuniões antes da compra da refinaria Pasadena

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O jornal “Estado de S.Paulo”, em sua edição desta quinta-feira (05), revela com exclusividade que em 2006, a então ministra da Casa Civil do governo Lula, a hoje presidente Dilma Rousseff, se reuniu a portas fechadas pelo menos três vezes com o presidente da Petrobrás à época, o petista José Sergio Gabrielli, após a refinaria de Pasadena entrar no foco da estatal. As conversas teriam se dado em 2005, e antes de a compra de 50% da unidade dos EUA ser aprovada, em fevereiro de 2006. Dilma era a presidente do conselho da estatal e comandou a reunião de 3 de fevereiro de 2006 em que o negócio foi aprovado. Segundo o “Estadão”, menos de 20 dias após o aval do conselho, Dilma se reuniu de novo com Gabrielli, conforme agenda da Casa Civil, obtida via Lei de Acesso à Informação. Trata-se, portanto, como afirma a reportagem do jornal, de encontros que não estavam disponíveis na internet. Houve, porém, vários outros encontros públicos, para discussões específicas ou anúncios de negócios da estatal, como o da foto desta página. Em março, após o Estado revelar sua posição favorável ao negócio que custou U$ 1,2 bilhão aos cofres públicos, a presidente afirmou, em nota ao jornal, que autorizou a compra com base num relatório “técnica e juridicamente falho” elaborado pela diretoria internacional da empresa. As cláusulas do contrato obrigaram a estatal brasileira a ficar com 100% da refinaria após longo litígio com a sócia belga Astra Oil. A Petrobrás admite prejuízos de cerca de US$ 500 milhões na compra da refinaria de Pasadena.

Leia mais no “Estadão”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp