Dilma, com a credibilidade no fundo do poço, tenta jogar a crise econômica no colo dos outros

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Quando a credibilidade de um governante chega ao fundo do poço, não há pronunciamento que possa convencer a opinião pública, principalmente para alguém que muito prometeu durante a campanha eleitoral, mas que não honrou seus compromissos. Esta foi a opinião dada no Plenário pelo senador Alvaro Dias (PSDB-PR), ao falar sobre os protestos verificados em diversas cidades, neste domingo, após o discurso feito pela presidente Dilma Rousseff em cadeia nacional de rádio e TV. Nas ruas, nas janelas dos prédios, manifestações como “buzinaços” e “panelaços” foram realizadas para protestar contra o governo do PT.

“Depois da campanha, em que Dilma fez diversas promessas e alardeou que a economia do país passava por situação notável e que vivíamos em uma espécie de paraíso, os compromissos assumidos com a população foram desonrados, a realidade se mostrou mais perversa para a sociedade, as mazelas do país não foram solucionadas, e com isso a credibilidade da presidente se perde de forma absoluta. E com o esgotamento da paciência da população, veio o panelaço, veio o buzinaço, manifestações livres e democráticas de uma população que não vê este governo adotar soluções para os problemas nacionais”, disse o senador em seu pronunciamento.

Ainda em sua crítica ao pronunciamento da presidente na TV, o senador Alvaro Dias afirmou que Dilma perdeu a oportunidade de ficar calada, ainda mais diante da tentativa de transferir responsabilidades por uma crise que vem piorando por conta da falta de competência de seu governo. Para o senador, o discurso da presidente Dilma não convenceu e não significou qualquer passo adiante na recuperação da credibilidade de seu governo.

“Esses pronunciamentos de presidentes da República tiveram a sua época, já foram importantes. Houve banalização nos últimos anos e, sobretudo, agora, com a presidente Dilma, esses pronunciamentos se tornam perfeitamente dispensáveis. Imagino que a presidente perdeu por não ficar calada. E diante de uma população que vê a sua paciência se esgotar diante das mazelas nacionais sem solução da parte deste governo, o que Dilma faz? Tenta transferir responsabilidade para a crise internacional quando outros países adotaram as providências de forma competente e superaram dificuldades. E diante dessa estratégia, indagamos: quais as providências que o nosso governo adotou a partir do anúncio da crise econômica internacional? Que reforma se fez neste País desde o Plano Real? Respondemos: nenhuma. Ao contrário, tivemos retrocessos com o modelo do balcão, do aparelhamento do Estado, fábrica de escândalos e de governos incompetentes. A reforma de Dilma foi às avessas, porque o Estado brasileiro cresceu de forma exorbitante, com ministérios, diretorias, empresas, coordenadorias, secretarias, departamentos, cargos comissionados, aumentando as despesas de custeio e fragilizando o caixa governamental, impossibilitado de atender demandas em setores essenciais, como da saúde, da educação, da segurança pública, enfim, no desenvolvimento do País. Dessa forma, o pronunciamento da Presidente só poderia mesmo ser confrontado com o panelaço”, concluiu o senador Alvaro Dias.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp