Desigualdades regionais, desafio para melhoria da educação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

A Comissão de Educação realizou, na manhã desta terça-feira (22), audiência pública para discutir o Plano Nacional de Educação, relatado pelo senador Alvaro Dias. A primeira a falar na audiência foi a socióloga e educadora Maria Alice Setúbal, que criou em 1987 o Centro de Pesquisa para Educação e Cultura (Cenpec), referência nacional na produção de material didático, formação de professores e avaliação das escolas. Na sua fala, Maria Alice defendeu ser preciso ouvir diferentes segmentos da sociedade, que, para ela, quer se manifestar sobre a educação.

“Nós da área de educação temos que reconhecer que hoje esse assunto é pauta da sociedade. E para corresponder ao que anseia a sociedade, precisamos enfrentar a questão da desigualdade, senão não conseguiremos melhorar nossos indicadores de qualidade no setor educacional”, afirmou ela, dizendo que é preciso recurso e também melhoria da gestão para implementar mudanças e melhorar a qualidade da educação. “Enquanto tivermos a desigualdade que vemos no País, principalmente pela falta de condições vistas no interior e na área rural, não poderemos cobrar dos professores, das escolas, que eles mostrem à sociedade bons resultados. Sem dar condições necessárias para que escolas possam responder por resultados, estaremos aumentando a desigualdade entre as escolas”, disse Maria Alice.

Em sua fala aos senadores, Maria Alice elogiou ainda o PNE que, segundo ele, avançou em muitos pontos, como na valorização do professor. “Não vamos ter educação melhor do que a qualidade dos professores, portanto, temos que aprovar um plano em que sobressaia a questão da valorização do professor, da carreira”. A educadora informou na audiência que o Brasil possui hoje um déficit de cerca de 250 mil professores, e defendeu que na discussão do Plano Nacional de Educação, esteja presente o incentivo para atrair novos professores. “É fundamental neste Plano a valorização do professor. Não podemos tratar apenas de salário, mas de garantir condições para que ele tenha uma carreira com progressão. Assim, iremos atrair os profissionais e preencher o déficit que o País possui em matérias como química, ciência, exatas, entre outras”, concluiu a educadora do Cenpec.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp