Desemprego aumenta e mês de março pode registrar pior índice desde 2006

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Não satisfeito em, como afirma o senador Alvaro Dias, “colocar a mão grande no bolso do contribuinte”, o governo Dilma agora também está levando o país a gerar menos empregos com carteira assinada, ao mesmo tempo em que ameaça direitos trabalhistas e previdenciários com suas medidas de ajuste fiscal. Em 2014, de acordo com números do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego, foram criados apenas 397 mil empregos, o pior resultado desde 2002. E neste ano, a geração de vagas continua em queda. Segundo a Taxa de Desemprego Antecipada (TDA), divulgada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e pela Catho, o nível do desemprego nas seis principais regiões metropolitanas deve continuar avançando e atingir 6,2% da população economicamente ativa.

De acordo com o estudo, se o número calculado para o desemprego no terceiro mês deste ano for atingido, será 1,2% superior ao registrado em igual período de 2014, quando foi de 5,00%, e ainda ficará acima do observado em fevereiro de 2015 (5,9%). Também, segundo as entidades, será a quinta vez consecutiva na qual a taxa de desemprego ficará acima ou igual à registrada no mesmo mês do ano anterior, indicando que o mercado de trabalho se encontra em processo de arrefecimento. “Caso os números se confirmem, teremos em março de 2015 o maior aumento da taxa de desemprego nessa base de comparação (interanual) desde julho de 2006, ou seja, maior até do que durante a época da crise internacional de 2008/2009”, avalia nota das entidades responsáveis pelo estudo.

E como se não bastasse o mau momento da economia brasileira, direitos trabalhistas e previdenciários estão na mira dos ajustes do governo do PT. As medidas assinadas pela presidente Dilma preveem cortes no seguro-desemprego, no auxílio-doença, no abono salarial e no pagamento de pensões por morte. E não para por aí: o governo Dilma afirma que modelo atual de seguro-desemprego está “completamente ultrapassado”, e está promovendo mudanças que devem dificultar aos trabalhadores que recebam o benefício. Além dessas, outras regras do chamado “ajuste” prometem penalizar ainda mais os trabalhadores. E com a recessão despontando no horizonte, não será surpresa para ninguém se o número de empregos continuar encolhendo ainda mais até o final do ano.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp