Datafolha: Dilma, a mais rejeitada, cai na pesquisa, e já há empate técnico na simulação de segundo turno

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

A mais nova pesquisa Datafolha, divulgada na noite desta quinta-feira (17), trouxe diversas más notícias para a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). A primeira: aumentou a tendência de a eleição ser decidida no segundo turno ganhou consistência. A segunda: nas simulações e cenário do instituto para o segundo turno, quando a disputa está entre Dilma e Aécio Neves (PSDB), o cenário é de empate técnico (44% x 40% a favor da petista). Uma terceira má notícia: Dilma é disparada a candidata mais rejeitada pelo eleitor: com 35% de pessoas que afirmam não votar nela de jeito algum. Em segundo na rejeição está Pastor Everaldo (PSC), com 18%, em terceiro Aécio, com 17%, e em quarto Zé Maria (PSTU), com 16%.

Outra notícia negativa: Dilma foi a principal afetada pelo fracasso da seleção brasileira na Copa do Mundo. A presidente, que havia subido quatro pontos percentuais na comparação entre a pesquisa do início de junho e a que foi divulgada no dia 02 de julho, caiu dois pontos, de 38 para 36%, nesta nova sondagem, que veio após o final da Copa. Com isso, a presidente tem o mesmo número de intenções de votos que a soma de todos os outros candidatos (36%), e, portanto, haveria segundo turno.

E as más notícias para a presidente não param por aí. A oscilação negativa de Dilma no primeiro turno e a aproximação de seus rivais em simulações de segundo turno são coerentes com o aumento do percentual de eleitores que julgam o atual governo como ruim ou péssimo. Conforme a pesquisa Datafolha, 29% desaprovam a gestão Dilma. Este é, numericamente, o maior percentual de ruim e péssimo para a petista desde o início de sua gestão, em 2011. Já o total de eleitores que classificam a administração como boa ou ótima são 32% agora, praticamente a mesma taxa apurada no fim de junho de 2013, imediatamente após a grande onda de protestos pelo país. Naquela ocasião, a taxa de aprovação à gestão petista despencou de 57% para 30%.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp