Cobrança de atitude contra manobras do governo que impedem redução da dívida dos estados

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado marcou para o próximo dia 12 a votação do projeto que troca o indexador da dívida dos estados e municípios. A proposta substitui o IGP-DI mais 6 ou 9% pela inflação mais 4% ou pela taxa básica de juros, a Selic, prevalecendo o menor índice. O governo Dilma, entretanto, vem atuando desde o ano passado para bloquear a votação deste projeto, e deve continuar com manobras regimentais para evitar a aprovação da proposta. O senador Alvaro Dias cobrou dos colegas parlamentares o compromisso assumido com os governadores, de votação urgente deste projeto, diante da difícil situação financeira que vivem os estados e municípios.

“O governo Dilma assumiu compromissos no ano passado com os governadores e prefeitos, e os desonrou. Esperamos que agora prevaleça o entendimento, já que todas as lideranças do Congresso entendem a importância dessa renegociação e da mudança do indexador da dívida dos estados. É fundamental para todos os estados brasileiros”, disse o senador à Rádio Senado.

Para Alvaro Dias, os senadores, antes de se posicionarem a favor de governo ou oposição, devem se lembrar que representam os estados no Congresso, e precisam colocar a população em primeiro lugar.

“Nós somos aqui os representantes dos estados. No Paraná, por exemplo, com a mudança do indexador, o Estado, que teria que pagar R$ 31,5 bilhões até 2028, ficaria com um saldo a pagar de R$ 17 bilhões. Isso representa uma redução significativa do montante da dívida, e esses recursos poderiam ser investidos em saúde, em educação, em segurança pública, em infraestrutura e outras áreas. Assim como o Paraná, todos os outros estados seriam beneficiados e, portanto, não podemos mais protelar esta decisão nem permitir que o governo queira adiar mais uma vez a sua aprovação”, afirmou o senador Alvaro Dias.

Se aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça, o projeto seguirá para votação pelo Plenário.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp