CCJ do Senado se esquiva de votar projeto que suspende decreto dos conselhos populares de Dilma

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado, presidida e dominada pelos aliados do PT e do governo Dilma, divulgou, no final da tarde desta sexta-feira (11), a pauta da próxima reunião do colegiado, que acontecerá na quarta-feira (16), e que provavelmente será o último encontro da comissão antes do esforço concentrado marcado para a primeira semana de agosto. E a direção da CCJ não incluiu na pauta da próxima reunião o projeto de decreto legislativo nº 117/2014, de autoria do senador Alvaro Dias, que susta os efeitos do decreto presidencial 8.243, de 23 de maio de 2014, que “institui a Política Nacional de Participação Social – PNPS” e o “Sistema Nacional de Participação Social – SNPS”. O decreto assinado por Dilma cria conselhos que vão influenciar as políticas governamentais, com integrantes indicados pelo próprio governo.

O projeto do senador Alvaro Dias, que susta o decreto de Dilma, possui relatório favorável do senador Pedro Taques (PDT-MT), e havia sido incluído na pauta da CCJ há três semanas. Na ocasião, o governo e suas lideranças manobraram para que não houvesse quórum na reunião da comissão, e prometeram apoiar a realização de uma audiência pública, na CCJ, para discutir o decreto de Dilma e, posteriormente, votar o projeto de Alvaro Dias. A presidência da CCJ, ao divulgar a pauta da reunião de quarta-feira, que será a última deste semestre, não só deixou de fora da reunião o projeto de Alvaro Dias como não deu qualquer indicação de quando pretende realizar a audiência pública para discutir o decreto de Dilma. Sinal de que o governo tenta ganhar tempo para se aproveitar da falta de quorum do Congresso devido ao calendário eleitoral, e com isso não ver derrubado o seu decreto que tantas críticas vem recebendo da sociedade e dos próprios parlamentares.

O senador Alvaro Dias, em seu projeto, afirma que o decreto presidencial invade prerrogativas do Poder Legislativo, por tentar criar, de forma autoritária e sem a participação do Congresso, uma nova política de participação social para o País. “Trata-se de uma forma com que a presidente da República decreta a falência do Poder Legislativo federal e o sucateamento total e absoluto do Congresso Nacional. Uma iniciativa dessa natureza, que decreta o alijamento do Congresso Nacional na discussão das políticas públicas, jamais poderia ter sido instituída sem o devido processo legislativo constitucional”, afirma o senador em seu projeto.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp