Caixa Econômica impede votação de projeto que dificulta lavagem de dinheiro nas loterias

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

A Caixa Econômica Federal, por intermédio dos seus assessores no Congresso, barrou a votação do projeto de lei do senador Alvaro Dias que trata da prevenção à lavagem de dinheiro no mercado lotérico. O projeto de Alvaro Dias estava na pauta da Comissão de Constituição e Justiça e foi colocado em votação pelo presidente do colegiado, Vital do Rego. O PLS do senador Alvaro Dias, de nº62/2007, possui relatório favorável do petista Walter Pinheiro, e caminhava para ser aprovado até que o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) pediu vistas e adiou a votação, informando aos seus colegas ter tomado esta atitude a pedido da diretoria da Caixa.

O projeto de Alvaro Dias, que podia ter sido aprovado, propõe lei específica para tratar de procedimento a ser adotado pela Caixa Econômica Federal no pagamento de prêmios de suas loterias. Entre as medidas, destacam-se as seguintes: a) o sacador deverá comprovar a origem dos recursos usados em suas apostas; b) o gerente deverá consultar o Conselho de Controle das Atividades Financeiras – COAF antes do pagamento; c) o saque ficará condicionado à identificação do ganhador; d) a CEF manterá banco de dados sobre os ganhadores durante um ano. O relator Walter Pinheiro defende a aprovação da proposta com base nos casos concretos, relatados por Alvaro Dias, em que houve conluio entre o agente criminoso e o gerente bancário.

Em diversos pronunciamentos feitos no Plenário e em comissões, o senador Alvaro Dias vem cobrando da Polícia Federal e do Ministério Público a apuração de denúncias de lavagem de dinheiro e manipulação de resultados nas loterias da Caixa. O senador afirma que as investigações desses casos precisam ser concluídas para apontar a responsabilidade civil e criminal dos envolvidos.
Segundo Alvaro Dias, de 2002 a 2006, de acordo com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda, houve um desvio de R$ 36 milhões, com o envolvimento de 75 pessoas.

“É evidente que se trata de lavagem de dinheiro. O dinheiro sujo é entregue à Caixa Econômica e quem entrega o dinheiro sujo recebe o dinheiro limpo. É obvio que envolvia uma quadrilha”, disse recentemente o senador, que por diversas vezes relembrou, no Plenário, episódios de supostas fraudes no pagamento dos prêmios, como o de um sorteio “estranho e duvidoso” que contemplou uma série de ganhadores, quando a probabilidade teórica da ocorrência seria de um caso a cada 400 anos. Ele também citou casos de pessoas que conseguiram ganhar na loteria 550, 107, 327 e 206 vezes na loteria e ainda a história de um cidadão que ganhou 107 prêmios no mesmo dia em sete modalidades de loteria em vários estados da Federação.

O projeto de Alvaro Dias deve retornar à pauta da Comissão de Constituição e Justiça na próxima quarta-feira (26).

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp