Brasileiros já pagaram mais de 1,6 trilhão em impostos, e carga tributária bate recordes

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

No último sábado (21), o “Impostômetro”, placar mantido pela Associação Comercial de São Paulo e que registra o valor pago pelos brasileiros em impostos federais, estaduais e municipais, ultrapassou pela primeira vez desde que foi criado, em 2005, a marca de R$ 1,6 trilhão. O valor marca um novo recorde anual, já que, no ano passado, o placar registrou, à meia-noite do dia 31 de dezembro, a marca de R$ 1,556 trilhão. Para 2013, a estimativa da Associação Comercial é de que o “Impostômetro” registre o total de R$ 1,640 trilhão em impostos pagos pela população. Se for mesmo atingido este valor, estaria configurado um aumento de cerca de 5% na arrecadação de impostos, mais do que o dobro do estimado crescimento do PIB do País (o Banco Central e instituições do mercado financeiro aguardam uma expansão de 2,3% em 2013).

“Estamos sempre com 2%, 3% a mais de crescimento dos impostos do que o próprio crescimento do país”, afirmou, em comunicado o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato. Ele lembra que, neste ano, a arrecadação federal também bateu um recorde. A arrecadação federal, no acumulado dos 11 primeiros meses do ano, somou R$ 1,02 trilhão, o que representa uma alta de 3,63% em termos reais sobre igual período do ano passado e novo recorde para este período. Em relação a 2011, ano em que o “Impostômetro” fechou a R$ 1,489 trilhão, teria havido, em dois anos, um aumento de mais de 10% no volume de impostos pagos, enquanto o crescimento do PIB, no mesmo período, sequer chegou a 4,5%.

Com o aumento da arrecadação, a carga tributária brasileira pode fechar 2013 em 36,42% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo estimativa do Instituto Brasileiro de planejamento e Tributação (IBPT). Na comparação com 2012, quando a carga tributária total fechou o ano em 36,37% do PIB, a expansão deve ser de 0,05%. Confirmada a previsão, esta será a quarta alta consecutiva.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp