Brasil despenca no ranking mundial de capital humano

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O Fórum Econômico Mundial divulgou o seu mais recente ranking de capital humano, organizado a partir de um índice que mede como 124 economias estão desenvolvendo e aplicando seus recursos de pessoal de forma produtiva ao longo do tempo. De acordo com o novo ranking, o Brasil caiu 21 posições e foi do 57º para o 78º lugar. Para organizar a lista, o Fórum Econômico Mundial leva em conta 46 indicadores em 2 eixos: aprendizado (participação e qualidade da educação formal e do treinamento no local de trabalho) e emprego (coisas como nível de desemprego e subemprego, participação feminina e composição da força de trabalho).

Entre os fatores que puxam a performance brasileira para baixo estão a baixa qualidade da educação primária, entre as 16 piores do ranking (109ª posição), e a taxa de jovens que saem do ensino básico com habilidades mínimas (91º lugar). O que ajuda o Brasil são as taxas de desemprego moderadas para a população entre 25 e 64 anos (entre as 40 mais baixas do mundo) e a qualidade do treinamento dentro das empresas (39º lugar). Na comparação da América Latina, o Brasil está atrás de Bolívia (73º) e Paraguai (75º) e na frente de Venezuela (91º) e Honduras (96º). Os líderes da região são Chile (45º), Uruguai (47º) e Argentina (48º). Entre os BRICS, estamos atrás de Rússia (26º) e China (64º) e na frente de Índia (100º) e África do Sul (92º). De acordo com o relatório, o Brasil é um dos países onde “os realizadores de negócios acham difícil encontrar pessoal qualificado”.

O primeiro colocado no ranking do Fórum Econômico Mundial é a Finlândia, seguida da Noruega, da Suíça, do Canadá, do Japão e da Suécia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp