Angola, país cuja filha do presidente tem fortuna de 3 bilhões, recebeu 33% dos empréstimos secretos do BNDES

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Até dezembro de 2013, os financiamentos do BNDES para obras de infraestrutura em países da África e da América Latina atingiram o valor de US$8,6 bilhões, o que representa, no câmbio atual, o montante de R$ 26 bilhões. Esta cifra foi apresentada no Plenário pelo senador Alvaro Dias, ao falar, na Tribuna, ao criticar os empréstimos sigilosos do BNDES e pedir urgência na instalação de uma CPI para investigar as atividades da instituição. Segundo Alvaro Dias, especificamente sobre os empréstimos do BNDES ao governo de Angola, este país recebeu 33% dos US$ 8,6 bilhões, montante que, para ele, merece um olhar crítico por parte do Congresso Nacional.

“Matéria publicada no jornal El País, no dia 12/11/2014, informa que o jornalista angolano Rafael Marques, preso em 1999 por suas críticas ao regime, publicou em 2013 na Forbes artigo que fala sobre a ´filhinha de Papai que se tornou uma Princesa Africana e acumulou US$3 bilhões em um país que vive com US$ 2 por dia’. Segundo Marques, os grandes negócios de Isabel dos Santos, filha do Presidente do País, são forjados de duas formas: participando de empresa estrangeira que precisa de licenças para abrir caminho em Angola ou por meio de uma concessionária criada pelo decreto real de seu pai. É para um pais como esse que o governo brasileiro oferece empréstimos da ordem de 26 bilhões de reais, com taxas de juros privilegiadas e sem informação alguma ao cidadão brasileiro que paga impostos. Secretamente, sigilosamente”, criticou o senador Alvaro Dias.

No Plenário, o senador lembrou o pedido de informações feito por ele ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, a respeito de detalhes da operação dos empréstimos concedidos ao governo de Angola pelo BNDES. Segundo Alvaro Dias, o Ministério informou que encaminhou o pleito ao BNDES, que, até o momento, nada respondeu.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp