Senador quer sustar decreto de Lula que fez BNDES financiar obras no exterior

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O senador Alvaro Dias protocolou nesta quinta-feira (13), na Mesa Diretora do Senado Federal, projeto de decreto legislativo de sua autoria que susta dispositivos do decreto assinado pelo então presidente Lula que modificou o estatuto do BNDES. O decreto presidencial, editado em 2007, permitiu ao BNDES que pudesse atuar como instituição de fomento a economias estrangeiras, tanto para ajudar governos no exterior como para financiar empresas brasileiras em obras, fusões e aquisições mundo afora. O projeto de Alvaro Dias busca retomar o texto original do Estatuto do banco, com a eliminação dessa modificação que tantos prejuízos trouxe aos cofres públicos brasileiros.

O BNDES foi criado para atuar como agente do Estado e do governo da União no fomento da economia nacional. Entretanto, o governo do PT decidiu alterar o Estatuto do banco para permitir que ele pudesse financiar governos ligados ideologicamente ao partido, assim como transferir bilhões para empresas escolhidas a dedo na política dos chamados “campeões nacionais”. Com a mudança do Estatuto, o governo federal passou a transferir dinheiro do para o BNDES com juros subsidiados.

De 2008 a 2014, o governo do PT colocou mais de R$ 700 bilhões nos cofres do banco, retirando dinheiro do FAT, do PIS/PSP e do Tesouro Nacional. Do FAT, PIS/PASEP e FGTS saíram cerca de R$ 243 bilhões para o BNDES. Do Tesouro Nacional, foram repassados R$ 473 bilhões ao banco. Como afirma o senador Alvaro Dias na justificativa de seu projeto, “um absurdo inédito”. Toda essa montanha de dinheiro não foi utilizada para cumprir o objetivo maior do BNDES, que é o desenvolvimento da economia nacional.

“O que melhora na economia nacional o fato do BNDES financiar a construção de Porto em Cuba, metrô na Venezuela e estradas em Angola, compra de frigoríficos nos Estados Unidos pelo Grupo JBS? Efetivamente nada. A situação ainda se mostra mais distorcida, quando se verifica que esses empréstimos do BNDES foram realizados com juros subsidiados pelos contribuintes brasileiros. Além desse total descolamento com o objetivo de fomentar a economia nacional, competências com essa envergadura deveriam ser acopladas às competências do BNDES quando autorizadas em Lei. Cabe ressaltar que o volume de informações relacionadas a falcatruas realizadas na República nos últimos anos é de tal monta que muitas vezes se esquece de observar o liame, a amarração, que existe entre uma fase e outra da grande investigação que, para o bem dos brasileiros e do Brasil, está sendo levada a cabo pelo Ministério Público Federal, Polícia Federal e Justiça Federal”, afirma o senador Alvaro Dias, ao justificar a apresentação de seu projeto.

O senador Alvaro Dias lembra ainda que a mudança no Estatuto levou o BNDES a optar por emprestar dinheiro com juros de pai para filho para grandes conglomerados, alguns em dificuldades financeiras, e para governos duvidosos, em detrimento da opção de financiar a inovação empresarial e a inovação tecnológica, que são fundamentais para o desenvolvimento da economia nacional. “Nos últimos anos, o BNDES emprestou aproximadamente U$ 9,0 bilhões, para construir além-mar o que mais falta no Brasil, infraestrutura. Sendo que Angola abocanhou 33%, Argentina 22%, Venezuela 14% e Cuba 7%. Pouco provável que isso tenha contribuído como o desenvolvimento da economia nacional”, disse.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp