Agência internacional rebaixa o Brasil, e analistas alertam para risco de o país perder novos investimentos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Os analistas do mercado financeiro e da imprensa especializada na área econômica consideram que a decisão da agência de classificação de risco Standard & Poor´s, de rebaixar a nota de investimento do Brasil, revela que as manobras fiscais do governo Dilma “não enganam mais ninguém”. A agência justificou sua decisão listando uma série de expedientes adotados pela equipe econômica de Dilma nos últimos anos, como manobras e truques para superestimar receitas e subestimar ou protelar despesas, na tentativa de embelezar as estatísticas oficiais (o que se convencionou chamar de “contabilidade criativa”).

Em geral, os analistas chamaram a atenção para o risco de o Brasil ser novamente rebaixado e perder a nota de grau de investimento, considerada segura pelos investidores. Os resultados, segundo os especialistas, poderiam ser graves, com forte saída de dólares do País. O ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola, por exemplo, disse ao “Estadão” que a decisão da agência Standard & Poor´s indica que, sem medidas corretivas do governo, principalmente na questão fiscal, o País pode perder o grau de investimento. “Foi menos mal, porque o Brasil ainda não perdeu o grau de investimento, mas fica sinalização forte que isso pode ocorrer caso não sejam tomadas medidas corretivas pelo governo, principalmente nas questões fiscal e de crescimento”, afirmou Loyola, que considerou o anúncio da S&P já esperado e antecipado pelo mercado, mas avaliou a decisão como negativa, pois poderá afastar novos investimentos. “Os investidores tomam em consideração essa classificação de risco nas decisões”.

Rebaixamento da economia brasileira significa falta de credibilidade internacional

O documento da agência que informa a decisão aponta como causas do rebaixamento a combinação da situação fiscal do país com a perspectiva de baixo crescimento nos próximos anos, além da piora nas contas externas. Na prática, avaliações como esta funcionam como uma classificação da credibilidade econômica país e servem como orientação para os investimentos produtivos. Aumentam as chances de calote por parte do Brasil, sobem também os juros pagos por financiamentos internacionais e os investimentos produtivos passam a procurar outros mercados. É o preço pago pela incompetência aliada à tolerância com a corrupção.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp