A mão de quem apedreja espiões é a mesma de quem já espionou

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

“A mão que afaga é a mesma que apedreja”. Com esta frase, o senador Alvaro Dias definiu, na sessão plenária desta segunda-feira, a revelação feita por reportagem da “Folha de S.Paulo” de que o governo brasileiro monitorou e espionou diplomadas de três países estrangeiros em embaixadas e nas suas residências no Brasil. Como destacou o senador, o jornal reproduz relatório da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que oferece detalhes sobre dez operações secretas realizadas entre 2003 e 2004, durante o governo Lula, quando diplomatas russos, iranianos e iraquianos, envolvidos com negociações de equipamentos militares, foram fotografados e seguidos em suas viagens por agentes brasileiros. Para o senador Alvaro Dias, a espionagem do Brasil pode ser diferente da que foi praticada pelos Estados Unidos na técnica e na sofisticação, mas a essência, segundo ele, é a mesma, assim como a motivação dos dois países. “Se o governo brasileiro tivesse o mesmo aparato técnico que tem os Estados Unidos, certamente estaria também investigando países com os quais mantém relações diplomáticas e interesses geopolíticos. Entretanto, nosso aparato é bem diferente. O Orçamento do Brasil é de R$ 500 milhões, infinitamente menor que o dos Estados Unidos no setor de inteligência (55 bilhões de dólares). Em síntese, Dilma fez enorme estardalhaço sobre atividades da NSA que foram reveladas por Edward Snowden, mas a postura do Brasil não é diferente, já que agora também se revelam ações de espionagem através da Abin. Nosso país não tem autoridade para fazer acusações tão fortes a outros países quando adota o mesmo tipo de atitude de espionagem”, afirmou o senador.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp